O que é tabela Price: quais são as principais diferenças para o SAC

Afinal, o que são tabela Price e SAC? O financiamento é um modo de conseguir recursos para a obtenção da tão sonhada casa própria. Sabemos que essa conquista acontece por meio de muitos esforços. Ter conhecimento sobre essas tabelas utilizadas para a amortização de investimentos é uma maneira de evitar sustos no futuro.

As instituições financeiras costumam utilizar algumas ferramentas para cálculos de pagamento, dentre as quais temos a tabela Price e o SAC. Os dois meios são sistemas de parcelamentos que distribuem os juros e a amortização do imóvel de acordo com o tempo. Porém, há diferenças relevantes que o consumidor precisa entender para fechar um negócio a longo prazo.

Pensando nisso, elaboramos este artigo para que você saiba em qual método de pagamento seu financiamento pode se qualificar. Acompanhe nossas explicações e faça uma boa leitura!

O que é tabela Price?

Essa ferramenta foi criada no século XVIII, na França, para ajudar o governo no sistema previdenciário. Com o passar do tempo, seu uso foi se estendendo para outras finalidades, até chegar ao mercado financeiro. Ela permite realizar o cálculo matemático do valor da prestação, o que envolve os juros e a amortização do imóvel. Também é possível verificar o saldo devedor a qualquer momento.

Como isso acontece?

As parcelas são fixas, porém ela trabalha em um modelo crescente de arrecadação dos juros e do valor efetivo do bem adquirido. Vamos entender? No início, o percentual maior é direcionado para a quitação dos juros. Assim, as últimas parcelas correspondem, quase que completamente, à quitação do imóvel.

A tabela Price é mais utilizada na compra de bens de consumo, veículos, empréstimos e crediários em geral e demais situações em que é viável financiar por pouco tempo. Contudo, atualmente, ela apresenta certa recorrência na aquisição de imóveis.

Como acontece o cálculo?

Para quem não compreende operações financeiras, o cálculo parece ser complexo. São consideradas as três bases importantes para esse tipo de cálculo: o valor total do imóvel; a taxa de juros cobrada; o tempo de financiamento definido. Considera-se, primeiro, o valor do imóvel e os juros, para depois aplicar ao tempo de parcelamento. Com isso, define-se o preço das prestações que se mantêm fixas até o final. O que altera são as percentagens distribuídas entre os juros e a amortização.

Exemplo: um financiamento de R$100.000,00 e taxa de juros 1%, dividido em 25 meses. O valor das parcelas será fixado em R$5.000,00 — R$4.000,00 de amortização e R$1.000,00 de juros no primeiro mês. Já a segunda prestação corresponderá ao montante de R$96.000,00. Portanto, os juros serão de R$960,00, e a amortização, de R$4.040,00, totalizando R$5.000,00 estabelecidos inicialmente.

Quais são as principais diferenças entre a tabela Price e o SAC?

O SAC — Sistema de Amortização Constante — também é outra ferramenta muito utilizada para financiamentos. O próprio nome oferece uma dica de como ele funciona. Esse sistema estabelece um valor de amortização do imóvel constante nas parcelas. O que varia são os juros.

No início, elas são maiores porque os juros sofrem alteração conforme a amortização do bem acontece. Ao final, essas parcelas serão mais baixas e corresponderão, em sua maioria, à quitação do imóvel. O SAC é mais utilizado em dívidas a longo prazo, como a aquisição de imóveis.

Portanto, a principal diferença entre os dois métodos está na constituição das parcelas. Enquanto na tabela Price elas são fixas, e no início se paga mais juros do que a amortização do imóvel, no SAC, elas são decrescentes, e há uma constância na quitação do bem — elas diminuem com o tempo porque os juros são calculados em cima do montante que resta do abate de cada mês. Vamos entender esse cálculo?

Exemplo: o imóvel custa R$100.000,00, o tempo de pagamento é de 25 meses. Fixa-se o valor de amortização de R$4.000,00 mensais, com juros de 1%. Portanto, os juros da primeira parcela são calculados em cima dos R$100.000,00. Assim, a primeira prestação ficaria em R$5.000,00 (R$4.000,00 + R$1.000,00 juros), e a segunda calcularia em cima de R$96.000,00. Dessa forma, o pagamento corresponde ao valor de R$4960,00. Segue esse fluxo sucessivamente.

Em resumo, com o SAC, a diminuição progressiva dos juros provoca uma queda nas parcelas, enquanto a Price tem como principal característica a sua constância durante todo o período em que o bem é financiado. Isso influencia na aprovação de créditos, visto que os credores avaliam a sua capacidade de assumir um compromisso a longo prazo.

Quais são as vantagens da tabela Price?

Prestações fixas

A decisão de comprar um imóvel, além de ser a escolha de um lar ou de investimento, exige uma responsabilidade financeira, pois se trata de uma dívida a longo prazo. A possibilidade das parcelas serem fixas permite que o comprador mantenha uma margem de planejamento pré-estabelecida e se preocupe em cumprir seu compromisso mensal.

Possibilidade de pagar antecipado

Muitos compradores planejam um prazo para quitar o financiamento, além de, também, pensarem na possibilidade de avançar com o pagamento e acabar com as prestações antes do tempo. Então, eles colocam na ponta do lápis seus possíveis ganhos extras e, portanto, consideram: caso ocorram hipóteses em que entre um capital extra, como décimo terceiro, abono salarial, participações em lucros e dividendos, etc.

Acessibilidade a mais pessoas

A tabela do SAC oferece uma progressão decrescente. Sendo assim, de início, os valores a pagar são bem mais altos. Esse detalhe restringe o público, já que o sistema de aprovação de crédito avalia a capacidade de arcar com o compromisso. Esse ponto, muitas vezes, não se adéqua ao orçamento financeiro familiar, o que faz da tabela Price um modelo mais popular.

Consistência na distribuição de percentuais

Analisando profundamente esse método, é possível observar uma forma equilibrada de garantir o pagamento dessas duas bases de preço: amortização e juros. Diante da necessidade de arcar com esses dois fatores, essa tabela busca realizar uma divisão gradativa que seja equilibrada, favorecendo tanto o comprador quanto a instituição financeira.

A escolha entre uma ou outra ferramenta nem sempre acontece pelo comprador, já que os bancos e as instituições de créditos avaliam uma série de detalhes e estão sempre em busca de financiamento para lucrar com os juros. No entanto, entender as diferenças entre cada uma delas é importante para saber em qual tipo de processo se está incluso.

Viu como não há tantas dificuldades em entender o que é tabela Price? Agora que você já sabe as vantagens desse método e comparou com o SAC, tranquilize-se com relação à aplicação dessa ferramenta pelas instituições financeiras, pois se trata de uma prática corriqueira e segura, garantida por lei.

Queremos saber a sua opinião! Gostou deste conteúdo? Deixe seu comentário aqui.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.